Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
  
   
   
Agenda do Samba e Choro
  

Referências

O nome da rosa. Umberto Eco, Ed. Record, 1986

Lemos Brito, José Gabriel de. Medidas e pesos durante o regime colonial. in Pontos de partida para a história econômica do Brasil. 3a. ed. São Paulo: Editora Nacional; [Brasília]: INL, 1980, p. 352-355. (Brasiliana; v. 155)

Ma. Eugenia Cortés I. y Fco. Pablo Ramírez G. Rescate de antiguas medidas iberoamericanas

Museu virtual de metrologia - Ipem-SP

Tabela de medidas agrárias não decimais - Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)

Tabelas do Manual do ITR 2004 (2003)

Ato Declaratório Ambiental (suspenso) Ibama – cf. site do Senar

Caso 1 - Trabalho técnico - PGE-SP

Manual de Redação e Estilo - O Estado de S. Paulo

Bibliografia
braziliense

Como se faz um presidente: a campanha de JK - 21 Ago. 2014

Sonho e razão: Lucas Lopes, o planejador de JK - 15 Ago. 2014

Brasília: o mito na trajetória da Nação - 9 Ago. 2014

Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar - 30 Jul. 2014

Quanto custou Brasília - 25 Set. 2013

JK: Memorial do Exílio - 23 Set. 2013

A questão da capital: marítima ou no interior?

No tempo da GEB

Brasília: a construção da nacionalidade

A mudança da capital

Brasília: história de uma ideia

Brasília: antecedentes históricos

  

Bibliografia
braziliana

Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid - 3 Out. 2013

Da Monarquia à República - 25 Set. 2013

O Cosmos de Humboldt - 2011

Longitude - 2011

A filha de Galileu - 2011

  
  

Byteria

   

Medidas
Com quantas braças
se perfaz uma légua


 
Flavio R. Cavalcanti

A tradução de quantidades indicadas em documentos da época do Império é atividade de risco, uma vez que não havia padronização das medidas e, quando explicadas, referiam-se a outras medidas igualmente não-padronizadas.

Tampouco havia padronização de linguagem, ou lógica na forma como era empregada. Em diversos textos, p.ex., áreas são indicadas em "braças", e até em "braças lineares". Em outros, com freqüência pode-se duvidar se a medida indica "léguas quadradas" ou "um quadrado de tantas léguas de lado" (como era prática em textos norte-americanos).

Complementos hoje associados a determinadas medidas — p.ex.: "alqueire paulista", ou "braça de sesmaria" — podiam estar subentendidos, ou ainda não terem sido adotados, conforme a época, a região e o autor.

Além disso, medidas mudavam — ou tentou-se mudá-las —, e não é garantido que os valores adotados atualmente sejam os mesmos de todas as outras épocas, regiões e autores.

Duas medidas

A légua e a braça são as duas medidas mais encontradas em leis, relatórios e outros textos do império sobre terras, colonização e imigração.

Raramente aparecem acompanhadas de qualquer complemento. Uma vez que outras medidas (quando aparecem) referem-se a uma delas, são a base para a compreensão do sistema de medidas agrárias da época.

Chama atenção, de imediato, a enorme desproporção entre a braça e a légua. Quer se considere a légua da época como 2.400 ou 3.000 braças, a relação é o dobro ou o triplo da relação entre o metro e o milímetro, por exemplo.

Essa desproporção reflete a relação entre os domínios do dono da terra — senhor absoluto de léguas e léguas ("da porteira para dentro" o direito público não entrava, portanto não havia direitos civis, ou cidadania) — e as braças autorizadas ao cultivo do meeiro, agregado, colono etc.

Ao incentivarem-se projetos de imigração — sob a tutela de um senhor, ou sob tutela direta do Estado — permanecerá a desproporção entre as léguas facilmente concedidas ao empresário e as braças trabalhosamente acessíveis ao imigrante.

Selva de medidas

Respira-se aliviado, observando a multiplicidade de medidas eliminadas pela adoção do sistema métrico decimal — uma só medida (padronizada) para cada tipo de aplicação (comprimento, área, volume, peso), e fácil de calcular de cabeça: 1 quilômetro tem 1.000 metros; 1 litro tem 1.000 mililitros, etc.

Nada poderia estar mais longe da realidade — quando o assunto é terra.

Passados 143 anos da adoção do sistema métrico decimal (1862), e 115 anos da introdução do registro Torrens (1890) , cartórios ainda registram terras mediante descrições vagas e imprecisas, a Justiça queima pestanas sobre tantas braças de sesmaria para a esquerda X tantas léguas de 3.000 braças à direita, e órgãos oficiais emitem tabela sobre tabela tentando se adaptarem a mais de 50 unidades sem existência legal.

Medida Braças Metros Valor
Braça
2 varas
= 10 palmos
 
2,20 m
Braça quadrada
100 palmos quadr.
 
4,84 m²
Légua de sesmaria
3.000  
 
6.000,0 m
[6.600 m
]
Légua de 18 ao grau
2.810,7
   
Légua de 20 ao grau
2.529,7
   
Légua de 25 ao grau
2.023,7
   
Légua métrica
1.818,2
 
4.000 m
Fonte: Lemos Brito, José Gabriel de.
Medida Braças Metros Valor
Braca    
219.13 cm
Fonte: Ma. Eugenia Cortés I. y Fco. Pablo Ramírez G.
Medida Braças Metros Valor
Vara: 1/36.366.265,45 do meridiano terestre  
(1,10 m)
Braça: 2 varas    
(2,20 m)
Milha: 841 3/4 braças    
(1.851,85 m)
Legoa: 3 milhas    
(5.555,55 m)
Geira
20 x 20
(44 x 44)
(1.936 m²)

Fonte: Relatório sobre o melhoramento do systema de pezos e medidas e monetario, apresentado ao Ilmº e Exmº Senhor Candido José de Araújo Viana, Ministro e Secretário d'Estado da Repartição da Fazenda; pela comissão para este fim nomeada por decreto de 8 de janeiro de 1833. Rio de Janeiro, Typographia Nacional, 1834. Museu virtual de metrologia - Ipem-SP

Medida Braças Metros Valor
Braça    
1,8288 m
Acre    
0,404686 ha
Milha (US e UK)    
1609,344 m
Milha quadrada    
258,998811 ha
Township    
9323,957197 ha

Fonte: Conversor de medidas - Museu virtual de metrologia - Ipem-SP

Medida Braças Metros Valor
Braça Linear
(todas as UFs)
 
2,20
-
Braça Quadrada
(todas as UFs)
-
2,20 x 2,20
0,000484 ha
(4,84 m²)
Braça de Sesmaria
(Rio Grande do Sul)
1 x 3.000
2,20 x 6.600
1,45 ha
Légua Linear
(PA,MA,PI,BA )
-
6.000
-
Légua Linear
(RS,RJ,GO,TO)
3.000
6.000
[6.600]
-
Légua Linear
(CE,RN)
2.400
5.280
-
Légua Linear
(todas as UFs)
-
6.000
-
Légua Quadrada
(todas as UFs)
-
6.000 x 6.000
3.600,00 ha
Légua Quadrada
(PA,MA,PI,BA,RJ,RS,GO,TO)
-
6.000 x 6.000
[6.600 x 6.600]
4.356,00 ha
Geira (Leira)
20 x 20
44 x 44
0,19 ha
Fonte: Tabela de medidas agrárias não decimais - Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)
Remissão: Serviço de Estatística da Produção, Ministério da Agricultura - Setembro/1946
(Informação preparada em novembro de 1996 por Wincar Goes Teixeira,
Engº. Agrº. dos Serviços Gerais de Planejamento e Coordenação do INDA).
http://www.mda.gov.br/arquivos/TABELA MEDIDAS AGRÁRIAS NÃO DECIMAIS.pdf
Medida Braças Metros Valor
Braça quadrada  
2,20 x 2,20
(4,84 m²)
Légua quadrada  
6.000 x 6.000
3.600 ha  
"A braça linear corresponde a 2,20 m, e a légua linear corresponde a 6.000 m".
Fonte: Tabelas do Manual do ITR 2004:
http://www.receita.fazenda.gov.br/Publico/itr/2004/TabelasManualITR2004.doc
Medida Braças Metros Valor
Braça Linear
---------
2.20
---------
Braça Quadrada
---------
2.20 X 2.20
0,000484 ha
Légua de Sesmaria
3000 X 3000
6.600 X 6.600
4.356,00 ha
Légua Linear
2400
5.280
--------
Légua Linear
---------
6.000
---------
Légua Quadrada
----------
6.000 X 6.000
3.600,00 ha

Fonte: Ato Declaratório Ambiental (suspenso) Ibama – cf. site do Senar

Medida Braças Metros Valor
Braças    
1,8288 m
Braças quadradas    
3,052 m²
Braças de sesmaria    
14.520 m²
Fonte: Eduardo Martins. Manual de Redação e Estilo. O Estado de S. Paulo. Ed. Moderna, 2000 (3ª ed.)
http://www.estadao.com.br/manual/pesos.htm
Medida Braças Metros Valor
Braça s.f. Medida correspondente ao comprimento de dois braços abertos (2,2 m).
2,2 m
Braça / Unidade de comprimento, de 7 pés (1,83 m, mais ou menos), usada na Inglaterra para indicar a profundidade da água. (Usada também em outros países).
1,8288 m
Braça quadrada / Medida de superfície (usada ainda em algumas regiões do Brasil) equivalente a 3,052 m².
3,052 m²
Jeira / s.f. Medida de terreno que varia de 9 a 36 hectares, conforme o país. / Terreno que uma junta de bois podia lavrar num dia.  
Légua s.f. Medida itinerária antiga, de valor variável. // Légua quilométrica, légua de 4 km. // Légua marítima, vigésima parte do grau, contada num círculo máximo da terra e que vale 3 milhas ou cerca de 5,556 km. // Légua terrestre, ou légua comum, légua de 25 ao grau, isto é, de 4,445 km. // Légua geométrica, de 6 km.  
Fonte: Pequeno Dicionário Enciclopédico Koogan Larousse. Editoria de Antônio Houaiss. Paris / Rio de Janeiro, 1980.
   

Ferrovias

• Artilharia ferroviária no Brasil - 26 Out. 2013

• Locomotivas da SR2 RFFSA - 23 Out. 2013

• Locomotivas da EFCB / RFFSA - 21 Out. 2013

• As locomotivas Alco FA1 (EM) - 21 Out. 2013

• Locomotiva “Manchester”: a primeira do Brasil? - 18 Out. 2013

• Planta da locomotiva a vapor Henschel 0-8-0 da EF Sorocabana - 18 Out. 2013

• Planta da locomotiva Baronesa na EFCB - 16 Out. 2013

Esplanada Ferroviária de Bauru - 17 Set. 2013

• Locomotiva Zezé Leone: história e projeto de trem turístico - 22 Jul. 2013

• Estação “Central” de Belo Horizonte - 18 Jul. 2013

• Ferrovia, frigoríficos e vagões isotérmicos no Brasil - 25 Fev 2013

  

Ferreofotos

• Locomotiva DH Krupp Bo+Bo+Bo EFVM - 17 Jul. 2013

• Vagão torpedo CT-31 Cosipa - 16 Jul. 2013

• Locomotivas UM10B nº 1969 e 1970 CSN - 16 Jul. 2013

• Vagão QC-3622 “Telecomunicações” Fepasa - 16 Jul. 2013

• Locomotivas diesel-hidráulicas Krupp da Sorocabana - 15 Jul. 2013

• Locomotivas LEW DE-II-S Fepasa - 15 Jul. 2013

• Locomotivas G12 nº 3651 a 3680 de bitola métrica da Fepasa - 14 Jul. 2013

• GL8 nº 3622 Fepasa após reforma - 14 Jul. 2013

• Alco RSD8 na pintura azul da Fepasa - 14 Jul. 2013

• GL8 4023 na última pintura RFFSA - 14 Jul. 2013

• B12 “pintura da Águia” ABPF Tubarão - 8 Jul. 2013

  

Byteria

  

Ferreomodelismo

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

• Como construí minha própria locomotiva - 28 Set. 2013

• Miniaturas realmente a vapor - 28 Set. 2013

• Despejo no Modelódromo do Ibirapuera - 20 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 96 online - 14 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 1 online - 10 Set. 2013

• Gilson assume a loja Alfredo Lupatelli - 3 Set. 2013

• Vagões prancha Phoenix (1992) - 3 Set. 2013

• Vagão madeireiro Phoenix (1991) - 3 Set. 2013

  

Mboabas

O uso da terra nas ideias de interiorização da capital
Hipólito | Bonifácio | Tavares Bastos| Rebouças | Rui Barbosa | Glicério | Township à brasileira | Medidas | O exemplo americano
Brasília nos planos ferroviários (DF)
Ferrovias concedidas do plano de 1890 | EF Tocantins | Cia. Mogiana | Ferrovia Angra-Catalão | EF Goiás | Ferrovia Santos - Brasília
O prolongamento da Estrada de Ferro Central do Brasil | A ferrovia da Cia. Paulista | Ferrovias para o Planalto Central | Documentação
Brasília e a ideia de interiorização da capital
Varadouro | Hipólito | Bonifácio | Independência | Vasconcelos | Império | Varnhagen
República | Cruls | Café-com-leite | Marcha para oeste | Constitucionalismo | Mineiros | Goianos
CC | A origem da “história” | Ferrovias para o Planalto Central
  

Busca no site
  
  
Página inicial do site Brasília
Página inicial do site Brasília
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade