Página inicial do site Brasília
Página inicial do site Brasília
 
   
   
Agenda do Samba e Choro
Cidade de Goiás “velho”, antiga Vila Boa, com a Serra Dourada ao fundo
Cidade de Goiás “velho”, antiga Vila Boa, com a Serra Dourada ao fundo

Epígrafe

“Entre os capitães-generais que governaram a província de Goiás até 1820, não houve um só que fosse casado, e todos tinham amantes com as quais viviam abertamente. A chegada de um general a Vila Boa espalhou o terror entre os homens e deixou em ebulição todas as mulheres. Sabia-se que ele logo escolheria uma amante, e até que ele se decidisse, todos os homens tremeram receando que a escolha recaísse na sua” [Auguste de Saint-Hilaire. Viagem à província de Goiás, 1822].

Estrada Real dos Goyazes

A Estrada Real dos Goiases foi aberta em 1734, com 3 mil km, da Bahia até a fronteira da Bolívia.

Quase ignorada pela historiografia tradicional, começou a ser resgatada na década de 1980, por pesquisadores goianos / brasilienses que, desde então, iniciaram uma “arqueologia” de seu percurso, identificando vários trechos no terreno.

Estrada Real dos Goyazes

Bibliografia
braziliana

Enciclopédia dos municípios brasileiros - 18 Mar. 2015

Grande sertão: veredas - 29 Out. 2014

Itinerário de Riobaldo Tatarana - 27 Out. 2014

Notícia geral da capitania de Goiás em 1783 - 26 Out. 2014

Viagem pela Estrada Real dos Goyazes - 9 Out. 2014

  

Bibliografia

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

  

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

   

braziliana: Brasília, Brasil
Chegou o governador


 
Flavio R. Cavalcanti -

Chegou o governador
Bernardo Élis
José Olympio Ed., Rio de Janeiro, 1987

Bernardo Élis é taxativo em afirmar que não se trata de um “romance histórico”. E, de fato, não romanceia um episódio histórico. Pelo contrário, o que pulsa no romance de Ângela Ludovico e D. Francisco de Assis Mascarenhas é o universo feminino que a História não conta.

Para isso, no entanto, Bernardo Élis recria a Vila Boa, capital e única comarca da capitania de Goiás, ao final do ciclo do ouro.

Traduz na vida local a chegada de uma centena de funcionários de todos os níveis, capitaneados por um nobre vindo diretamente da côrte de Lisboa.

Torna palpável, também, o papel das irmandades, as regras de “pureza de sangue” e discriminações entre reinóis e colonos, o papel da igreja como guarda dos costumes (que os próprios padres não seguem), a desigualdade entre os que podem ou não resistir aos achaques e até lucrar com eles, o funcionamento da administração civil e, em especial, da justiça e do fisco.

   
Capa do livro “Chegou o governador”, de Bernardo Élis
Capa do livro “Chegou o governador”,
de Bernardo Élis

Tudo isso é bem documentado pelas cartas e instruções dos governadores da época, bem como pelas memórias dos viajantes europeus que descreveram a capitania no início do século XIX, como Auguste de Saint-Hilaire, — entre inúmeros arquivos pesquisados pelo autor ao longo de décadas.

O governador D. Francisco de Assis Mascarenhas chega a Goiás em 1804, já sob a expectativa da vinda da Côrte portuguesa para o Rio de Janeiro.

Mas o passado ressurge a cada momento, — “a terra do que já teve”, no dizer de um personagem, — como problemas não resolvidos, após a decadência da mineração. Uma sociedade com menos de um século de vida, já despovoada pelo fim do ouro, pendente de soluções para continuar existindo, e não apenas vegetando ou regredindo.

E o espanto daquela civilização, — instalada em curto espaço de 5 anos, — no meio do que se considerava um “deserto”:

Vila Boa (Goiás atual) era um mundo maravilhoso, onde se instalara um polo de civilização luso-brasileira quase totalmente isolado do restante do mundo. Dali à cidade mais próxima, que era Vila Rica, distavam 130 léguas (780 km); das cidades mais próximas da orla litorânea, Rio de Janeiro ou Bahia, distanciava-se em 200 léguas ou 1.200 km. No rumo norte, a única povoação era Belém do Pará, distante 300 léguas, e para oeste, o único núcleo de povoação seria Cuiabá, longe 160 léguas (960 km). No entanto, apesar de tamanhas extensões territoriais, apesar da ausência de estradas ou rios navegáveis, apesar da absoluta falta de meio de transporte, uma vez que só havia o transporte por meio de cavalos e mulas, raríssimos ao tempo, num breve lapso de cinco anos aí se reuniram cerca de 10.000 homens, na maioria escravos, que ali chegaram na sua totalidade levados pelos próprios pés, pois Goiás só conheceu qualquer veículo de rodas em 1820 [orelhas, Bernardo Élis].

Entre o passado, a decadência e os esforços do governador, desenham-se caminhos da época, — já existentes, ou apenas desbravados e a pedir providências.

Belém

É o caso da navegação dos rios Tocantins e Araguaia, desbravada de longa data, e que vem a merecer um esforço adicional do novo governador, para insuflar vida na economia da capitania: — Não se produzia, porque não havia meios de levar a produção a um mercado; e não se abriam caminhos economicamente viáveis porque não havia o que transportar.

A questão se abre logo à sua chegada, com um pedido de socorro do destacamento militar de São João das Duas Barras, futura sede da comarca do norte, recém criada no papel: pairava a ameaça de que os franceses do diabólico Napoleão estariam se preparando, na Guiana, para atacar o Pará [p. 44-48].

Pelo comandante dos dragões, fica sabendo que seu antecessor tinha recebido ordens de chegar à Vila Boa subindo o rio Araguaia:

Em 1799, atendendo a ordem do Reino, o capitão-general D. João Manoel de Meneses , ao contrário de vir para Goiás pelo caminho do sul, o fez por Belém do Pará, via Tocantins-Araguaia. || Sai de Belém a 1º de Setembro e chega a Santa Rita do Rio do Peixe (14 léguas distante de Vila Boa), no dia 18 de Fevereiro do ano seguinte (1800), cinco meses e meio de viagem e vencendo mais de 400 léguas (2.400 km). Nesse período, afora o contato com dois grupos indígenas ao longo do percurso, a expedição não encontra nenhuma outra pessoa [cit. p. 136].

Guiando-se pela memória dos arquivos, mais tarde o novo governador tratará de organizar uma expedição fluvial para Belém:

Enfim, a grande expedição movimentou-se, tomando o rumo de Belém do Pará, entre espocar de foguetes e bacamartes, vivas a el-rei, ao governador e ao Divino Padre Eterno. Eram as canoas Príncipe Regente, Minerva, Tétis, Aurora e Vênus, seguidas de duas montarias que davam apoio logístico ao grupo. (…) || O pequeno porto ficou coalhado de embarcações que logo pegaram o rumo do Pará, estendendo-se numa fila que se perdia na curva além do rio, a tripulação de perto de 80 homens, inclusive cinco militares pedestres sob o comando do furriel José Antônio Ramos, que iam esperançosos de receber os soldos em atraso de mais de dois anos. Com a mesma fé seguiam 27 mestiços livres, remadores de profissão, não se falando dos 14 índios xerentes e dos 34 caiapós aldeados no Carretão. Por aquela maneira, escoavam-se 1.640 arrobas de mercadorias constituídas de açúcar, couros, algodão, quina, fumo, cordas e objetos de madeira, tudo sob a responsabilidade do comando geral da expedição, sr. João Paulo, que nada estava ganhando por esse enorme trabalho. Enquanto se partia, outra expedição se carregava no pequeno porto, com igual destino, formada de quatro canoas, tripuladas por 40 homens, mantida e custeada por comerciantes de Crixás e Pilar, levando carga mais preciosa formada de sabão da terra, toucinho, queijo, goiabada e marmelada, fumo em corda, feijão, arroz e farinha. Essa segunda expedição, largada com 15 dias de atraso, deveria alcançar a primeira e a ela unir-se ao longo da viagem [p. 148-149].

Bahia

Quando o governador imagina que a estrada com amurada sobre o vale do rio Vermelho, às portas da Vila Boa, fosse a única obra do gênero em toda a capitania, é desmentido:

— Não é a única nem a melhor (…). Outra calçada talvez mais extensa e melhor construída estava entre Meia Ponte e Corumbá, na bifurcação da estrada que ia para o Rio de Janeiro e a outra que seguia para a Bahia [p. 66].

Aqui, faltam informações e firmeza, como na hesitação sobre a extensão do trecho da estrada da Bahia calçado de pedras, entre Meia Ponte (Pirenópolis) e Corumbá (de Goiás).

Tampouco fala da chegada de dois governadores anteriores, — D. José de Almeida Vasconcelos (1772) e D. Luís da Cunha Menezes (1778), — que fizeram o trajeto desde a Bahia por essa Estrada Real dos Goyazes.

É verdade que o autor poderia não considerar essas viagens relevantes para sua recriação da época e das memórias anteriores, — tal como não incluiu relatos sobre viagens desde o Rio de Janeiro e São Paulo, — mas o fato é que, ao publicar o romance, em 1987, a estrada da Bahia ainda não era tão conhecida.

É de 1994, — com prefácio de Bernardo Élis, — a 1ª edição de História da Terra e do Homem no Planalto Central, de Paulo Bertran, que resgatou documentos da época sobre a Estrada Real do Sertão, revelando sua importância; e de 1997 a publicação desses documentos na íntegra, na Notícia geral da capitania de Goiás em 1783, tornando-os acessíveis a todos os pesquisadores.

«» ª … •’ — “”
Largo do Chafariz (Goiás) | Vista de Goiás | Chegou o governador
Estrada Real dos Goyazes
Viagem pela Estrada Real dos Goyazes | Estrada Colonial no Planalto Central
Notícia geral da capitania de Goiás em 1783 | Preexistências de Brasília
Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madri
Francesco Tosi Colombina | Chegou o governador
Livros sobre Brasília
Plano Piloto de Brasília | Nas asas de Brasília | História de Brasília | A mudança da capital
No tempo da GEB (O outro lado da utopia) | Brasília: a construção da nacionalidade
Brasil, Brasília e os brasileiros | Brasília: Memória da construção
A questão da capital: marítima ou no interior? | revista brasília
JK: Memorial do Exílio | Quanto custou Brasília
Brasília: história de uma ideia | Brasília: antecedentes históricos
braziliense | braziliana | ferroviaria
   

Élis e Bertran

Investigador inteligente a diligentíssimo, Paulo Bertran tem revirado e rebuscado o rebotalho de nossos arquivos, depois dos saques a que os submeteram amigos historiadores, colhendo muita coisa valiosa, pois é norma consagrada que nossa curiosidade está na razão direta de nossa cultura. Além disso tem sido incansável na descoberta de papéis esquecidos nos valiosos arquivos de além-mar e que novas luzes deitam à história goiana.

Porque essa história de pesquisa é muito importante. O autor verdadeiramente dotado do dom de pesquisar quase que intui, adivinha quase os acontecimentos, por indícios subtilíssimos que a tecnologia não pôde ainda ensinar, mas que, graças a um instinto especial, o pesquisador fareja e detecta como o faz Paulo Bertran [Bernardo Élis. Prefácio à 1ª edição do livro História da Terra e do Homem no Planalto Central, de Paulo Bertran, 1994].

Bibliografia
braziliense

Conterrâneos Velhos de Guerra - roteiro e crítica - 7 Nov. 2014

Como se faz um presidente: a campanha de JK - 21 Ago. 2014

Sonho e razão: Lucas Lopes, o planejador de JK - 15 Ago. 2014

Brasília: o mito na trajetória da Nação - 9 Ago. 2014

Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar - 30 Jul. 2014

Quanto custou Brasília - 25 Set. 2013

JK: Memorial do Exílio - 23 Set. 2013

A questão da capital: marítima ou no interior?

No tempo da GEB

Brasília: a construção da nacionalidade

Brasília: história de uma ideia

  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

  

Ferreoclipping

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Acompanhe


Agenda do Samba e Choro

  

Busca no site
  
  
Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
Sobre o site Brasília | Contato | Publicidade | Política de privacidade