Página inicial do site Brasília
Página inicial do site Brasília
 
   
   
Agenda do Samba e Choro
  

   

D. Carmelo Motta, 1957
A “democratização do território”
na primeira missa de Brasília


 
Cardeal d. Carlos Carmelo de Vasconcellos Motta,
Discurso na Primeira Missa de Brasília, 3 de maio de 1957
[cf. DB1:229-232]

Poucas das promessas — informais, vagas, apenas sugeridas — deixaram registros capazes de iluminar a origem da esperança despertada em milhares de pioneiros da construção de Brasília, e a decepção subsequente.

A tradição oral dos candangos aponta na morte de Bernardo Sayão — em forma de uma “teoria conspiratória” — uma explicação talvez ingênua para a reversão de suas expectativas, que muitas vezes nem conseguem definir.

Embora igualmente vago, não oficial, o pronunciamento do cardeal d. Carmelo de Vasconcellos Motta na “primeira missa” de Brasília tem o dom de apontar a existência de expectativas bem claras e definidas, de “democratização” do “território brasileiro” — e de modo bem concreto, em “colônias nacionais à margem das grandes vias que demandarão Brasília”.

Uma referência ao “cruzeiro rodoviário” — uma cruz ou rosa-dos-ventos de rodovias irradiando de Brasília em todas as direções:

Será o acontecimento máximo depois do Ipiranga. Será um avanço histórico de 135 anos. Será o apogeu do governo republicano do País. Será a democratização desse colosso de grandeza e beleza que é o território brasileiro.

(...)

Brasília vai deter a fuga do nosso sertanejo em busca da miragem das megalópolis. Brasília vai resolver o mais angustioso e mais grave problema nacional que é o problema dos nossos irmãos nordestinos, proporcionando-lhes oportunidade de se fixarem em colônias nacionais à margem das grandes vias que demandarão Brasília — colônias nacionais tecnicamente estabelecidas, amparadas e assistidas pelos poderes públicos. Brasília vai ser o mais formidável impulso unificador e civilizador do Brasil. Brasília vai ser a mobilização efetiva e definitiva desta grande Nação de 60 milhões de cidadãos livres e deste extensíssimo território, patrimônio colossal, capital imenso do qual precisamos e devemos auferir os juros legítimos tanto em benefício nosso quanto em benefício da humanidade.

   

Referências

A primeira missa, na realidade, foi celebrada um ano antes, em maio de 1956, pelo bispo d. Abel Ribeiro [cf. DB1:31-32] — por iniciativa do mal. Pessoa —, cinco meses antes da primeira visita de JK ao local.

A primeira missa vespertina também havia ocorrido antes, sem alarde, no pequeno Santuário de Dom Bosco, a 24 de março de 1957.

Ferreoclipping

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Bernardo Sayão
Vida e morte do Bandeirante | Primeira missa
O uso da terra nas ideias de interiorização da capital
Hipólito | Bonifácio | Tavares Bastos| Rebouças | Rui Barbosa | Glicério | Township à brasileira | Medidas | O exemplo americano
Brasília nos planos ferroviários (DF)
Ferrovias concedidas do plano de 1890 | EF Tocantins | Cia. Mogiana | Ferrovia Angra-Catalão | EF Goiás | Ferrovia Santos - Brasília
O prolongamento da Estrada de Ferro Central do Brasil | A ferrovia da Cia. Paulista | Ferrovias para o Planalto Central | Documentação
Brasília e a ideia de interiorização da capital
Varadouro | Hipólito | Bonifácio | Independência | Vasconcelos | Império | Varnhagen
República | Cruls | Café-com-leite | Marcha para oeste | Constitucionalismo | Mineiros | Goianos
CC | A origem da “história” | Ferrovias para o Planalto Central
  

Busca no site
  
  
Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
Sobre o site Brasília | Contato | Publicidade | Política de privacidade