Página inicial do site Brasília
Página inicial do site Brasília
 
   
   
Agenda do Samba e Choro
  

Bibliografia
braziliense

Conterrâneos Velhos de Guerra - roteiro e crítica - 7 Nov. 2014

Como se faz um presidente: a campanha de JK - 21 Ago. 2014

Sonho e razão: Lucas Lopes, o planejador de JK - 15 Ago. 2014

Brasília: o mito na trajetória da Nação - 9 Ago. 2014

Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar - 30 Jul. 2014

Quanto custou Brasília - 25 Set. 2013

JK: Memorial do Exílio - 23 Set. 2013

A questão da capital: marítima ou no interior?

No tempo da GEB

Brasília: a construção da nacionalidade

Brasília: história de uma ideia

  

Bibliografia
braziliana

Enciclopédia dos municípios brasileiros - 18 Mar. 2015

Grande sertão: veredas - 29 Out. 2014

Itinerário de Riobaldo Tatarana - 27 Out. 2014

Notícia geral da capitania de Goiás em 1783 - 26 Out. 2014

Memórias do desenvolvimento - 19 Out. 2014

Preexistências de Brasília - 13 Out. 2014

Viagem pela Estrada Real dos Goyazes - 9 Out. 2014

Francesco Tosi Colombina - 3 Out. 2014

Estrada Colonial no Planalto Central - 27 Set. 2014

Chegou o governador - 12 Set. 2014

Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid - 3 Out. 2013

  

Ferreoclipping

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

Programação de Carnaval nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 6 Fev. 2015

   

A República Velha e a mudança da capital
Média: café-com-leite


 
Flávio R. Cavalcanti

A consolidação da oligarquia cafeeira no controle da velha República — conhecida como "política do café-com-leite", revezando presidentes paulistas e mineiros "eleitos" no papel ("voto de pena") — relegou ao esquecimento a decisão de mudança da capital do país para o planalto central, incluída na Constituição de 1891.

O terceiro presidente civil, Rodrigues Alves, definiu como prioridade de seu governo o saneamento e reurbanização do Rio de Janeiro, no estilo da reforma parisiense do Barão Haussmann. Para a oligarquia, uma capital nada tinha a discutir ou decidir; as decisões vinham dos Estados — especificamente, de São Paulo e, com menos freqüência, de Minas Gerais. A capital era uma vitrine, e a belle époque, o modelo a exibir.

O desdém de Rodrigues Alves para com os "centralistas" sugere um paralelo interessante do tema da capital federal com as tendências políticas que começariam a se manifestar, de forma crescente, duas décadas mais tarde:

Em que pese os centralistas, o verdadeiro público que forma a opinião e imprime direção ao sentimento nacional é o que está nos Estados. É de lá que se governa a República por cima das multidões que tumultuam, agitadas, nas ruas da Capital da União.

Opinião que — considerando o potencial de uma nova capital, no interior, para perturbar o status quo — pouco difere da visão de oligarcas aparentemente excluídos do café-com-leite, na avaliação de Neil Macaulay:

Na virada do século, o Estado de Goiás era o feudo do senador Leopoldo Bulhões (...). Julgou melhor que Goiás e o agrupamento de fazendeiros despóticos que forneciam os votos necessários (...) fossem deixados sozinhos. (...) Opôs-se ao avanço de rodovias para o interior de Goiás porque "aventureiros poderiam começar a entrar e, então, haveria oposição" à sua máquina política [Neill Macaulay].


"A realização da velha e arcaica chapa:
A Pátria entra firme na via do progresso".
Novo cenário
Caricatura de Gil (Carlos Lenoir)
in A Avenida, 12-3-1904
[Lima Barreto e o fim do sonho republicano,
Carmem Lúcia Negreiros de Figueiredo,
Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, 1995]

Não que nas cidades — mesmo no Rio de Janeiro — a República Velha fosse muito mais democrática. Uma vez que cabia aos políticos da situação escolher os mesários e decidir quais candidatos teriam sua eleição reconhecida ou rejeitada, poucos eleitores se dispunham a enfrentar a violência organizada nos postos de votação.

A modernização do Rio de Janeiro, tocada de modo autoritário, assumiu o aspecto de expulsão da pobreza para longe da área saneada, e desembocou na Revolta da Vacina, em 1904.

A proposta de interiorizar a capital ressurgiu quase ao mesmo tempo do movimento modernista e as revoltas que levariam à Revolução de 30. Ao meio-dia de 7 de setembro de 1922, centenário da Independência, foi lançada a pedra fundamental da futura capital da República — em área próxima ao atual Colégio Agrícola, em Planaltina.

Nada significou, na prática. Mas a iniciativa — do Congresso — exigiu, do presidente Epitácio Pessoa, subscrever decreto lembrando que a capital federal seria "oportunamente" estabelecida no Planalto Central, onde já se encontrava demarcada área de 14.400 km²; e comprometendo-se a comunicar ao Legislativo, dentro de um ano, o resultado de estudos para estender uma ferrovia até o retângulo Cruls e os planos para a construção da nova cidade.

   

Lauro: — Você já reparou, Frontin, temos o Passos ao nosso lado e os passos das moças na retaguarda...

Frontin: — Tudo isso porque demos um passo à frente com esta Avenida...

Passos: — Um passo?! Um passão, digo eu! E quando for inaugurada a Avenida Beira-mar!... Isso então é que vai ser uma senhora passada de sete léguas...

R. Alves: — ... De espantar peixinhos e... peixes grandes... Decididamente, desliza tudo num mar de rosas, na praia do progresso. Tomamos um banho de glória, pela certa.

Flanando pela Avenida
Caricatura de J. Carlos (José Carlos de Brito e Cunha)
in O Malho, 2-12-1905
[Lima Barreto e o fim do sonho republicano,
Carmem Lúcia Negreiros de Figueiredo,
Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, 1995]

Café com leite | Ordem do dia | O reverso do embelezamento | A onça e a Avenida
Brasília e a ideia de interiorização da capital
Varadouro | Hipólito | Bonifácio | Independência | Vasconcelos | Império | Varnhagen
República | Cruls | Café-com-leite | Marcha para oeste | Constitucionalismo | Mineiros | Goianos
CC | A origem da “história” | Ferrovias para o Planalto Central
   

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

Acompanhe

     

Busca no site
  
  
Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
Sobre o site Brasília | Contato | Publicidade | Política de privacidade