Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
  
   
   
Agenda do Samba e Choro
Locomotiva a vapor do Batalhão Ferroviário nos arredores de Brasília, em 1967, sobre trilhos ainda sem lastro
Locomotiva a vapor do Batalhão Ferroviário nos arredores de Brasília, em 1967, sobre trilhos ainda sem lastro

O fim do MVOP

Em seu livro de memórias “Missão cumprida”, o último ministro da Viação e Obras Públicas (MVOP) explica que a cerimônia de Março de 1967 indicava apenas a “chegada da ponta dos trilhos a Brasília”, e não a inauguração da linha.

Registra, também, a extinção do MVOP ao final do governo Castello Branco, com a criação dos ministérios dos Transportes, das Comunicações, e do Interior.

Ministérios - estrutura do Executivo
Brasil Colônia | Reino Unido | Regência D. Pedro | Início do Império | Final do 2º reinado
Início da República | Nilo Peçanha | Governo Provisório de Getúlio Vargas | Estado Novo | 2º governo Vargas
Parlamentarismo - João Goulart | Constituição de 1967 | Reforma do governo Geisel
Machado de Assis na Administração Pública
O “Estado mínimo” imperial | Agricultura, o “novo” Ministério
O ciclo revolucionário do Ministério da Viação | Fim do MVOP | CCPCL

Bibliografia
braziliana

Enciclopédia dos municípios brasileiros - 18 Mar. 2015

Grande sertão: veredas - 29 Out. 2014

Itinerário de Riobaldo Tatarana - 27 Out. 2014

Notícia geral da capitania de Goiás em 1783 - 26 Out. 2014

Viagem pela Estrada Real dos Goyazes - 9 Out. 2014

  

Bibliografia
braziliense

Conterrâneos Velhos de Guerra - roteiro e crítica - 7 Nov. 2014

Como se faz um presidente: a campanha de JK - 21 Ago. 2014

Brasília: o mito na trajetória da Nação - 9 Ago. 2014

Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar - 30 Jul. 2014

Quanto custou Brasília - 25 Set. 2013

  

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
   

Ferrovias para Brasília: 1967
“Balanço de fim de jornada”


 
Juarez Távora
Ministro da Viação e Obras Públicas: 15-4-1964 a 15-3-1967
Missão cumprida
(Relatório das atividades no extinto MVOP, no triênio Abril de 1964 — Março de 1967).
Rio, Gráfica do DNEF, janeiro de 1970, cf. Dinah Silveira de Queiroz (org.).
Livro dos Transportes. Ministério dos Transportes, 1970

“Uma semana antes de consumar-se a extinção do Ministério da Viação e Obras Públicas, e transmitir, nos termos da Reforma Administrativa, baixada pelo Decreto-Lei nº 200, de 25-2-67 aos titulares de três novas Pastas — a dos Transportes; a das Comunicações, e a do Interior — respectivamente os setores de Transporte (Hidroviário, Ferroviário e Rodoviário); de Comunicações (Correios e Telégrafos); e de Valorização Regional (Obras de Saneamento e Obras contra as Secas), que integravam a alçada administrativa do Ministério a ser extinto — foram convocados representantes da imprensa para, numa última entrevista, sumariar-lhes os esforços para cumprir a missão recebida, três anos antes, do Governo Revolucionário, e com que esperava ter chegado ao fim de minha longa jornada de servidor público.

“Foi feita, inicialmente, uma afirmação global de que — embora nem todos objetivos prefixados tivessem sido atingidos — puderam, contudo, ser recuperados, melhorados e ampliados os serviços, emtodos os setores jurisdicionados pelo MVOP.

“Foram em seguida, sintetizados, em ligeiros "flashs", alguns aspectos mais dramáticos das realidades encontradas; dos esforços feitos para enfrentá-las; e das pequenas vitórias conseguidas, apesar dos sempre minguados meios disponíveis.

“Não vamos repeti-los, aqui, porque se encontram relatados em capítulos anteriores deste livro. Quero frisar, entretanto, que manifestei, então, minha firme intenção de deixar concluído o assentamento de trilhos ao longo de toda a "Ligação" ferroviária Pires do Rio — Brasília em cujo Núcleo Bandeirante pretendia entrar, apitando numa locomotiva do Batalhão Mauá, antes de 15 de março.

“A promessa foi cumprida, à última hora, na tarde de 14 de março de 1967. Houve, entretanto, quem duvidasse que a Ligação estivesse realmente feita — já que a pequena locomotiva em que cheguei, naquela tarde, à Estação Bernardo Sayão, fôra conduzida, com um dia de antecedência, até cerca de 20 km daquela estação, somente, tendo eu percorrido nela esse pequeno trecho da Ligação.

“Esqueceu-se, entretanto, o crítico suspicaz de que, acompanhando essa locomotiva, entraram no Núcleo Bandeirante vários automóveis de linha, que haviam partido de Pires do Rio, ponto inicial da Ligação, na madrugada desse mesmo dia, conduzindo, além de representantes dos ministérios da Guerra e da Viação, jornalistas do Rio, de S. Paulo, de Belo Horizonte e de Brasília.

“Não se tratava, conforme expliquei na ocasião, da inauguração da linha; mas simplesmente da chegada da ponta dos trilhos a Brasília, como afirmação de que a ligação da capital federal, por via férrea, ao Centro-Sul do país, podia considerar-se um fato irreversível.

“Já na tarde de 14 de março de 1967, após assistir a última reunião do ministério, convocada pelo presidente Castello Branco, para despedir-se de seus ministros, enderecei-lhe a seguinte carta, formalizando o meu pedido de exoneração do cargo de ministro da Viação e Obras Públicas:

“Brasília, 14 de março de 1967

“Meu caro Presidente,

“Julgo concluída, com a última inspeção feita, esta manhã, à Ligação Ferroviária Pires do Rio — Brasília, cujos trilhos já alcançam o Núcleo Bandeirante, nesta capital federal (e onde espero entrar, ainda nesta tarde, numa locomotiva do Batalhão "Mauá") a missão de que fui por V. Excia. investido, à frente do MVOP, desde 15 de abril de 1964.

“Não devo nem quero ser juiz de — "se cumpri e como cumpri" — conforme impunham as circunstâncias e desejava V. Excia., a missão recebida.

“Diz-me, contudo, a consciência, que fiz quanto pude para bem desobrigar-me dos deveres funcionais que me cabiam, zelando, fielmente, pela defesa do bem comum, e tentando conciliar com ele, os interesses particulares, sem quaisquer discriminações.

“Agradecendo-lhe, aqui, a confiança em mim depositada e o apoio com que sempre prestigiou as minhas decisões mais graves, venho formalizar o pedido de exoneração do cargo de Ministro da Viação e Obras Públicas com que V. Excia. me honrou no concerto de sua fecunda administração.

“Muito cordialmente, subscrevo-me seu velho camarada, amigo e admirador,

“Juarez Távora

“E, antes de encerrar meu último expediente no gabinete de Brasília, expedi, nesta mesma tarde de 14 de março, os Avisos B-46, ao diretor-geral do DNEF, e B-47, ao ministro da Guerra, agradecendo-lhes, à margem da chegada dos trilhos da Ligação Ferroviária Pires do Rio — Brasília, ao Núcleo Bandeirante da capital federal, os extraordinários esforços realizados, para isso, respectivamente por aquele departamento do MVOP, e pela Diretoria de Vias de Transportes do Exército (Apêndices 8 e 9).

“Chegara, assim, ao fim desses três anos de continuados esforços e contrariedades, física e mentalmente esgotado. Mas podia, graças a Deus, dar por encerrada, aí, com a consciência tranquila, minha longa e acidentada caminhada pela vida pública.

«» ª •’ — “”
A chegada do trem a Brasília
Um trem para Brasília | O primeiro trem para Brasília
"Trens de luxo para Brasília" | Expresso Brasil Central | Reinauguração do Bandeirante
Ligação Santos-Brasília | Balanço de fim de jornada
Pátio de Brasília será o maior | A nova estação de Brasília
Abastecimento de combustíveis | Variante Pires do Rio e mudança do DNEF
A logística da construção | As ferrovias da Novacap
4ª viagem Experimental de trem para Brasília | Os trens experimentais do GTB
As ferrovias na construção de Brasília
As opções em 1956 | Logística | Ferreocap | 1957: Decreto-convênio | 1962: Des-ferreocap
Brasília nos planos ferroviários (DF)
Ferrovias concedidas do plano de 1890 | EF Tocantins | Cia. Mogiana | Ferrovia Angra-Catalão | EF Goiás | Ferrovia Santos - Brasília
O prolongamento da Estrada de Ferro Central do Brasil | A ferrovia da Cia. Paulista | Ferrovias para o Planalto Central | Documentação
   

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

• Pátios do Subsistema Ferroviário Federal (2015) - 6 Dez. 2015

Acompanhe

     

Busca no site
  
  
Página inicial do site Brasília
Página inicial do site Brasília
Sobre o site Brasília | Contato | Publicidade | Política de privacidade