Página inicial do site Brasília
Página inicial do site Brasília
 
   
   
Agenda do Samba e Choro
  

Bibliografia

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

  

Bibliografia
braziliense

Conterrâneos Velhos de Guerra - roteiro e crítica - 7 Nov. 2014

Como se faz um presidente: a campanha de JK - 21 Ago. 2014

Brasília: o mito na trajetória da Nação - 9 Ago. 2014

Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar - 30 Jul. 2014

Quanto custou Brasília - 25 Set. 2013

  

Bibliografia
braziliana

Enciclopédia dos municípios brasileiros - 18 Mar. 2015

Grande sertão: veredas - 29 Out. 2014

Itinerário de Riobaldo Tatarana - 27 Out. 2014

Notícia geral da capitania de Goiás em 1783 - 26 Out. 2014

Viagem pela Estrada Real dos Goyazes - 9 Out. 2014

   

Varnhagen e a localização da capital
... vamos encaminhando
para ella as estradas de ferro


 
Flavio R. Cavalcanti

Em sua carta ao ministro da Agricultura, a pretexto de bons sítios para a imigração européia, datada da "Villa Formosa da Imperatriz, em Goyaz, 28 de Julho de 1877", Varnhagen sugere que se comece a fazer convergir para o Planalto Central as estradas de ferro Central do Brasil (então, EF D. Pedro II) e Mogiana (linha de Casa Branca).

De quebra, traça o caminho que — de fato — foi seguido, uma geração depois, pela Estrada de Ferro Goiás; e, 90 anos mais tarde, pela Ligação Pires do Rio - Brasília:

(...) parece-me que é digna de merecer desde já a devida attenção dos poderes publicos do Estado, fazendo convergir para ella todas as communicações, começando pela continuação da estrada de Pedro 2°, levando-a talvez de preferencia pelo Paraopeba, Rio S. Francisco e Urucuya, cujas cabeceiras se acham mui perto desta villa. Tambem a linha de Casa Branca se poderia desde já para esta paragem encaminhar, seguindo algumas vertentes, a buscar, pelo caminho mais facil, a foz do Corumbá no Paranahiba, para subir depois aquelle rio e o S. Bartholomeu, até as cabeceiras deste. (...)

É mais do que um palpite. Como engenheiro, e como diplomata atento aos desenvolvimentos técnicos e econômicos da Europa e Estados Unidos, Varnhagen vai além deste ou daquele traçado específico — propõe mudanças radicais na forma como eram concedidas e implantadas ferrovias no Brasil:

Eu julgo, Exmº Sr, que, se fosse necessário, até por uma lei applicavel ás proprias estradas de ferro provinciaes, deviamos de todo abandonar o systema de as decretar e conceder para unir entre si povoações, ainda de insignificante commercio e trafico, com grandes gastos de aterros e desaterros, aplanando montes e valles, e que nos conviria adoptar de preferencia o principio de ir beirando os rios, sem nenhuns gastos de nivellamento, e com muito maior proveito da agricultura em geral, como succede á que segue o valle do Parahiba. E creio, firmemente que nesta quasi preferencia das margens dos rios, ajudando assim a natureza, que se limitou a abrir os leitos, mais ou menos nivellados, deixando caxoeiras, que mais custaria a quebrar do que a vencer lateralmente pelas estradas de ferro, está o grande segredo do desenvolvimento das mesmas estradas de ferro no Brazil; pois novas cidades, muito mais importantes que as actuaes, poderão vir a surgir ao lado dellas como por encanto. Isto não obstaria a que a dessas grandes arterias se fizessem divergir ramaes para as cidades visinhas, mais ou menos importantes.

É, sob todos os aspectos, uma receita americana — economizar no custo inicial, atrair imigrantes, produzir carga comercial, criar novas cidades.

De volta ao posto diplomático em Viena, Varnhagem publicou em 1877 o livreto A questão da capital: marítima ou no interior?, de apenas 32 páginas, onde reuniu todas as informações e argumentos, terminando por reiterar:

Mas se não podemos já transferir a capital, e não queremos ainda formar, na paragem indicada, uma colonia, ao menos seja ella desde já examinada e mapeada, e vamos encaminhando para ella as estradas de ferro.

A ideia de Brasília em Varnhagen
Uma proposta única | Estradas de ferro | 1849: Memorial orgânico | 1877: Carta de Formosa | A questão da capital: marítima ou no interior?
Brasília nos planos ferroviários (DF)
Ferrovias concedidas do plano de 1890 | EF Tocantins | Cia. Mogiana | Ferrovia Angra-Catalão | EF Goiás | Ferrovia Santos - Brasília
O prolongamento da Estrada de Ferro Central do Brasil | A ferrovia da Cia. Paulista | Ferrovias para o Planalto Central | Documentação
Brasília e a ideia de interiorização da capital
Varadouro | Hipólito | Bonifácio | Independência | Vasconcelos | Império | Varnhagen
República | Cruls | Café-com-leite | Marcha para oeste | Constitucionalismo | Mineiros | Goianos
CC | A origem da “história” | Ferrovias para o Planalto Central
   

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

  

Ferrovias

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

Acompanhe

  

Busca no site
  
  
Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
Sobre o site Brasília | Contato | Publicidade | Política de privacidade