Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
  
   
   
Agenda do Samba e Choro
  

Ferrovias

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

• Pátios do Subsistema Ferroviário Federal (2015) - 6 Dez. 2015

  
   

Cia. Mogiana de Estradas e Ferro e o Plano de Metas de JK
Reaparelhamento ferroviário


 
Flavio R. Cavalcanti

Lastro, dormentes, pátios, estações

Além da "remodelação" — ou "retificação", substituindo trechos com curvas fechadas e rampas fortes por "variantes" de perfil mais suave —, o projeto aprovado pelo BNDE previa outras intervenções de menor porte, compondo uma "renovação" da via:

Tronco de Campinas a Uberlândia — A estrada está procedendo à renovação de sua via permanente, juntamente com o reforço do lastro, esse serviço compreendendo principalmente: arredondamento das curvas e introdução de curvas de transição; limpeza do lastro velho; aumento da dormentação para 1.667 dormentes por km; reforço do lastro para 20 cm e 30 cm de espessura e colocação de placas de apoio nas curvas, conforme o trecho. Nesse sentido foram renovados, em 1959, 56,83 km de linha, que somados aos realizados nos anos de 1956, 1957 e 1958, perfazem o total de 122,796 km de linha. [Companhia Mogiana de Estradas de Ferro. Estradas de Ferro do Brasil, Revista Ferroviária, 1960]

Esse trabalho, na verdade, também se fazia em outras linhas da Mogiana, levando os números a outros patamares, no total. A expressão "quilômetros de trilhos" parece indicar "quilômetros de via":

Na via permanente já foram substituídos 500 quilômetros de trilhos, com lastreamento dos mais perfeitos, graças à montagem de 4 instalações de britagem de pedra, em pedreiras da própria estrada. Tem sido substituída uma média de 400 mil dormentes anualmente, nestes últimos três anos. [Trechos do Relatório da Mogiana ref. 1959, cf. Estradas de Ferro do Brasil, Revista Ferroviária, 1960]

Substituição de trilhos — Desde o início dos serviços, em fevereiro de 1956, até 31/12/59, foram substituídos 646,565 km de trilhos, sendo 221,871 km com trilhos tipo 45 kg/m.
(...)
Lastro novo — em 34,081 km de linha. Reforço do lastramento em 132,095 km. [Companhia Mogiana de Estradas de Ferro. Estradas de Ferro do Brasil, Revista Ferroviária, 1960]

Seis meses depois, os números globais continuavam avançando rapidamente:

De 1956 a meados de 1960, foram substituídos trilhos em 730 quilômetros de linha. [A Companhia Mogiana de Estradas de Ferro está efetuando um grande plano para modernizar os seus serviços. Revista Ferroviária, Out. 1960]

Como ilustração de que obra ferroviária não se faz de uma hora para outra — mas, pelo contrário, é uma indústria, em si mesma, a exigir prévia criação de uma linha de produção —, foram adquiridos e instalados equipamentos para soldagem de trilhos e para produção de brita de lastro, entre outros:

Foi terminada a instalação, em Ribeirão Preto, de um equipamento para solda elétrica, compreendendo máquina automática, grupo convertedor-gerador, transformador, máquina para serrar, furar e retificar trilhos, galpões, transportadores de roletes, pórtico rolante para descarga e empilhamento de trilhos. [Companhia Mogiana de Estradas de Ferro. Estradas de Ferro do Brasil, Revista Ferroviária, 1960]

Instalação, em Ribeirão Preto, de equipamento completo de soldagem de trilhos, onde serão preparadas barras de 120 a 140 metros de comprimento. [A Companhia Mogiana de Estradas de Ferro está efetuando um grande plano para modernizar os seus serviços. Revista Ferroviária, Out. 1960]

Instalação de 4 equipamentos completos para britagem de pedras, cuja produção nos 7 primeiros meses de 1960 atingiu a 112.000 m³. [A Companhia Mogiana de Estradas de Ferro está efetuando um grande plano para modernizar os seus serviços. Revista Ferroviária, Out. 1960]

Brasília e a Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
Plano de Metas | Mudança do tronco | Retificação de trechos | Reaparelhamento | Pátios e estações | Dieselização acelerada
Tronco | Rio Grande | Catalão (1) | Igarapava e Catalão (2) | Quadros da retificação | Abertura de trechos até 1944
Mapas: 1984 | 1970 | 1954 | 1898 | Locomotivas em 1921 | Locomotivas Fepasa | Caboose
Referências
RF, 1957: 5 de 30 locomotivas G-12 | RF, 1960: 23 locomotivas GL8 | RF, Out. 1960: Um grande plano
Correio Paulistano, 1963: Retificação | Refesa, 1970: Retificação para Uberaba
Cury: Concessões e trilhos | Cury: Cronologia | Suplemento RF 1945 | Suplemento RF 1960 | Relatório CMEF 1956-1959
As ferrovias na construção de Brasília
As opções em 1956 | Logística | Ferreocap | 1957: Decreto-convênio | 1962: Des-ferreocap
A chegada do trem a Brasília
Um trem para Brasília | O primeiro trem para Brasília
"Trens de luxo para Brasília" | Expresso Brasil Central | Reinauguração do Bandeirante
Ligação Santos-Brasília | Balanço de fim de jornada
Pátio de Brasília será o maior | A nova estação de Brasília
Abastecimento de combustíveis | Variante Pires do Rio e mudança do DNEF
A logística da construção | As ferrovias da Novacap
4ª viagem Experimental de trem para Brasília | Os trens experimentais do GTB
Brasília nos planos ferroviários (DF)
Ferrovias concedidas do plano de 1890 | EF Tocantins | Cia. Mogiana | Ferrovia Angra-Catalão | EF Goiás | Ferrovia Santos - Brasília
O prolongamento da Estrada de Ferro Central do Brasil | A ferrovia da Cia. Paulista | Ferrovias para o Planalto Central | Documentação
Brasília e a ideia de interiorização da capital
Varadouro | Hipólito | Bonifácio | Independência | Vasconcelos | Império | Varnhagen
República | Cruls | Café-com-leite | Marcha para oeste | Constitucionalismo | Mineiros | Goianos
CC | A origem da “história” | Ferrovias para o Planalto Central
   
  

Ferreomodelismo

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em palitos de fósforo - 17 Dez. 2014

  

Bibliografia
braziliense

Conterrâneos Velhos de Guerra - roteiro e crítica - 7 Nov. 2014

Como se faz um presidente: a campanha de JK - 21 Ago. 2014

Brasília: o mito na trajetória da Nação - 9 Ago. 2014

Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar - 30 Jul. 2014

Quanto custou Brasília - 25 Set. 2013

  

Busca no site
  
  
Página inicial do site Brasília
Página inicial do site Brasília
Sobre o site Brasília | Contato | Publicidade | Política de privacidade