Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
  
   
   
Agenda do Samba e Choro
  
  

Ferrovias

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

• Pátios do Subsistema Ferroviário Federal (2015) - 6 Dez. 2015

  

Bibliografia
braziliense

Conterrâneos Velhos de Guerra - roteiro e crítica - 7 Nov. 2014

Como se faz um presidente: a campanha de JK - 21 Ago. 2014

Sonho e razão: Lucas Lopes, o planejador de JK - 15 Ago. 2014

Brasília: o mito na trajetória da Nação - 9 Ago. 2014

Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar - 30 Jul. 2014

Quanto custou Brasília - 25 Set. 2013

JK: Memorial do Exílio - 23 Set. 2013

A questão da capital: marítima ou no interior?

No tempo da GEB

Brasília: a construção da nacionalidade

Brasília: história de uma ideia

   
Foto aérea do novo pátio ferroviário da Cia. Mogiana de Estradas de Ferro em Ribeirão Preto
O novo pátio de Ribeirão Preto: alongado e desimpedido
[Fonte: publicidade do governo Montoro, nos anos 80. Cortesia: Márcio Hipólito]

Cia. Mogiana e o Plano de Metas de JK
Novos pátios e estações


 
Flavio R. Cavalcanti

Simultaneamente, pátios e estações estavam sendo refeitos e/ou readequados para o aumento na capacidade de transporte de cargas — e na qualidade do transporte de passageiros.

Pátios mais longos e/ou em maior número são providência elementar para a ampliação da capacidade de uma ferrovia, em conjunto com o melhoramento da geometria e da qualidade da via principal. O alongamento possibilita a formação e cruzamento de trens mais longos, enquanto o maior número de pátios permite o trânsito simultâneo (e cruzamento) de maior número de trens ao longo da linha.

Providências semelhantes estavam sendo implantadas em várias outras ferrovias, no período 1956-1960, independente de terem, ou não, relação com a nova capital em construção no planalto central. No caso da Rede Mineira de Viação (RMV), o acompanhamento pessoal do presidente fez com que ficassem registros muito claros do andamento de cada item do programa.

A propósito do antigo pátio da Mogiana em Ribeirão Preto, — e de um ponto de vista meramente ferreomodelístico — o engenheiro Celso Frateschi resumiu em 1979 algumas características que explicam sua inadequação aos novos tempos:

Não se trata de um projeto moderno, que seria um pouco diferente. Este, já demolido, é o da estação da antiga Mogiana em Ribeirão Preto. Porém sua característica é mais favorável para maquetes, pois possui mais "movimento" do que um páteo moderno, onde dominam uma certa simetria e um "quadradismo" às vezes exagerado [Para quem começou agora, Informativo Frateschi nº 3, 1979].

Em outro texto, comparando diferentes desenhos de pátios ferroviários, o engenheiro Celso Frateschi voltou a descrever resumidamente algumas características do antigo pátio de Ribeirão Preto:

Construído no século passado [XIX], viveu o tempo do vapor, dos carros e vagões de madeira, dos truques Arch-Bar, até o aparecimento das primeiras G-12 e GL-8. Alojava trens curtos, possibilitando apenas o tráfego de veículos de pequena carga por eixo.
(...)
O contraste [com o pátio moderno de Paulínia] é evidente.
Este, totalmente reto, capaz de receber trens com até 100 vagões com fluxo de tráfego simplificado ao máximo. Sua geometria é igualmente longilínea tendo-se evitado linhas espalhadas para manobra, a não ser em algum ramal industrial. O anterior [Ribeirão Preto antigo] apresentando traços evidentes de um crescimento espalhado, com manobras difíceis, tendo-se que, muitas vezes, alterar a posição da locomotiva de manobra, ou trabalhando-se com duas manobreiras, para o mesmo trem [Pátios e estações, II parte, Informativo Frateschi nº 38, 1985].

No projeto do novo pátio de Ribeirão Preto, observa-se um planejamento semelhante ao do futuro pátio de Brasília, reservando espaço para instalação anexa de indústrias e armazéns com ramais integrados, de modo a racionalizar as operações, tanto para a ferrovia quanto para as empresas:

Dentro de seu programa, a Mogiana iniciou este ano um plano de remodelação de grande número de suas estações, aumentando-lhes a plataforma e criando condições de maior conforto para os passageiros, com salas de espera, instalações sanitárias e outras conveniências para o público. O programa da Mogiana, neste tópico, deverá estar concluído no decorrer de 1960.
Em 1959 a Mogiana deu início à construção de nova estação Ribeirão Preto e de seu pátio ferroviário que será, provavelmente, o maior do Estado de S. Paulo. Medirá ele dois quilômetros de extensão por 600 metros de largura. Terá lateralmente uma área reservada para armazéns e indústrias que necessitarem para suas operações de chaves ferroviárias. [Trechos do Relatório da Mogiana ref. 1959, cf. Estradas de Ferro do Brasil, Revista Ferroviária, 1960]

   

Ferreomodelismo

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em palitos de fósforo - 17 Dez. 2014

  
Planta do antigo pátio ferroviário da Cia. Mogiana de Estradas de Ferro em Ribeirão Preto
O antigo pátio de Ribeirão Preto: manobras complicadas e baixa capacidade
[Fonte: Informativo Frateschi nº 3, 1979]
Brasília e a Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
Plano de Metas | Mudança do tronco | Retificação de trechos | Reaparelhamento | Pátios e estações | Dieselização acelerada
Tronco | Rio Grande | Catalão (1) | Igarapava e Catalão (2) | Quadros da retificação | Abertura de trechos até 1944
Mapas: 1984 | 1970 | 1954 | 1898 | Locomotivas em 1921 | Locomotivas Fepasa | Caboose
Referências
RF, 1957: 5 de 30 locomotivas G-12 | RF, 1960: 23 locomotivas GL8 | RF, Out. 1960: Um grande plano
Correio Paulistano, 1963: Retificação | Refesa, 1970: Retificação para Uberaba
Cury: Concessões e trilhos | Cury: Cronologia | Suplemento RF 1945 | Suplemento RF 1960 | Relatório CMEF 1956-1959
As ferrovias na construção de Brasília
As opções em 1956 | Logística | Ferreocap | 1957: Decreto-convênio | 1962: Des-ferreocap
A chegada do trem a Brasília
Um trem para Brasília | O primeiro trem para Brasília
"Trens de luxo para Brasília" | Expresso Brasil Central | Reinauguração do Bandeirante
Ligação Santos-Brasília | Balanço de fim de jornada
Pátio de Brasília será o maior | A nova estação de Brasília
Abastecimento de combustíveis | Variante Pires do Rio e mudança do DNEF
A logística da construção | As ferrovias da Novacap
4ª viagem Experimental de trem para Brasília | Os trens experimentais do GTB
Brasília nos planos ferroviários (DF)
Ferrovias concedidas do plano de 1890 | EF Tocantins | Cia. Mogiana | Ferrovia Angra-Catalão | EF Goiás | Ferrovia Santos - Brasília
O prolongamento da Estrada de Ferro Central do Brasil | A ferrovia da Cia. Paulista | Ferrovias para o Planalto Central | Documentação
Brasília e a ideia de interiorização da capital
Varadouro | Hipólito | Bonifácio | Independência | Vasconcelos | Império | Varnhagen
República | Cruls | Café-com-leite | Marcha para oeste | Constitucionalismo | Mineiros | Goianos
CC | A origem da “história” | Ferrovias para o Planalto Central
  

Busca no site
  
  
Página inicial do site Brasília
Página inicial do site Brasília
Sobre o site Brasília | Contato | Publicidade | Política de privacidade