Página inicial do site Brasília
Página inicial do site Brasília
 
   
   
Agenda do Samba e Choro
  

Missão Cruls


Relatório da Comissão Exploradora do Planalto Central do Brasil
Rio de Janeiro, 1894
(Codeplan, Brasília, 1992)

1ª Missão Cruls
1892-1893

Índice
Introdução
Carta de Glaziou
Índice das fotos
Relatório
Pessoal
Ferrovias e desenvolvimento

Trata-se do famoso "Relatório Cruls" (1894), referente à 1ª Missão Cruls (1892-1893), durante o governo Floriano Peixoto.

Relatório da Comissão de Estudos da Nova Capital da União
Typo-lith. Carlos Schmidt, Rio de Janeiro, 1896

2ª Missão Cruls
1894-1896

Instruções (1894)
Pessoal e itinerários
Trabalhos
Ferrovia Catalão-Cuiabá
Ofício Cruls
O local quase escolhido
Relatório de Glaziou

Trata-se do Relatório "parcial" (1896), referente à 2ª Missão Cruls (1894-1895), abortada pelo corte de verbas no governo Prudente de Morais.

Sobre Luís Cruls

Louis Ferdinand Cruls
A via Cruls, by Pimentel
Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar

Home to Cruls

  

Bibliografia
braziliense

Conterrâneos Velhos de Guerra - roteiro e crítica - 7 Nov. 2014

Como se faz um presidente: a campanha de JK - 21 Ago. 2014

Sonho e razão: Lucas Lopes, o planejador de JK - 15 Ago. 2014

Brasília: o mito na trajetória da Nação - 9 Ago. 2014

Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar - 30 Jul. 2014

Quanto custou Brasília - 25 Set. 2013

JK: Memorial do Exílio - 23 Set. 2013

A questão da capital: marítima ou no interior?

No tempo da GEB

Brasília: a construção da nacionalidade

Brasília: história de uma ideia

  

Bibliografia
braziliana

Enciclopédia dos municípios brasileiros - 18 Mar. 2015

Grande sertão: veredas - 29 Out. 2014

Itinerário de Riobaldo Tatarana - 27 Out. 2014

Notícia geral da capitania de Goiás em 1783 - 26 Out. 2014

Memórias do desenvolvimento - 19 Out. 2014

Preexistências de Brasília - 13 Out. 2014

Viagem pela Estrada Real dos Goyazes - 9 Out. 2014

Francesco Tosi Colombina - 3 Out. 2014

Estrada Colonial no Planalto Central - 27 Set. 2014

Chegou o governador - 12 Set. 2014

Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid - 3 Out. 2013

  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

   

Relatório Cruls, 1894
Carta de Glaziou


 
Flavio R. Cavalcanti

ffjslfjflsdfjl


“Planalto Central do Brasil, 16 de Novembro de 1894

“Ilmº Sr. Dr. Cruls.

“É com a maior satisfação que venho responder sumariamente às perguntas que vos dignastes dirigir-me relativamente à minha opinião concernente à natureza e ao clima do — Planalto Central do Brasil, estudo que me proponho submeter-vos, finda a viagem, de um modo escrupulosamente detalhado e mais condigno com tudo quanto tiver observado.

“O aspecto das regiões até hoje ¹[Em diversas explorações de um desenvolvimento superior a 700 quilômetros] percorridas é de um país ligeiramente ondulado; lembra-me o Anjou [http://fr.wikipedia.org/wiki/Anjou], a Normandia e mais ainda a Bretanha, exceto todavia na direção Oeste onde campeia a Serra dos Pireneus, tão pitoresca. A leste, estende-se o belo e grandioso vale que vai prolongando-se até aos pequenos montes do rio Parnauá [Paranoá], ramificando-se, em outros pontos, em todas as direções. Esta planície imensa, de superfície tão suavemente sinuosa, é riquíssima de cursos d’água límpida e deliciosa que manam da menor depressão do terreno. Essas fontes, como os grandes rios que regam a região, são protegidas por admiráveis capões aos quais nunca deveria golpear a machada do homem, senão com a maior circunspecção. São magníficos de verdura os pastos e certamente superiores a todos os que vi no Brasil Central. Todos esses elementos cuja disposição se poderia atribuir à inspiração de um artista sublime dão à paisagem o aspecto mais aprazível e de que não há nada comparável, a não ser em miniatura os antigos parques ingleses, desenhados por Le Notre ou Paxton. Tão profundamente gravou-me na memória a beleza do clima que de contínuo o tenho na mente.

“Em consequência da constituição geológica do solo, não é absolutamente fértil a totalidade do território, porém as localidades desprovidas dessa qualidade são cobertas de excelentes espécies de gramíneas principalmente dos gêneros Paspalum e Panicum. A essas ervas espontâneas é que a região deve a superioridade do gado vacum e de seu produto laticínio certamente igual aos melhores da Europa. Eis a razão porque a criação do gado, que não acarreta senão desembolsos mínimos, será indubitavelmente a indústria agrícola mais vantajosa do país. À margem dos rios, dos bosques assim como das inúmeras cabeceiras existem ainda vastos terrenos aptos para o cultivo de muitas espécies de árvores frutíferas dos climas temperados, tais como as pereiras, as macieiras, as figueiras, etc. e principalmente a vinha cujo futuro é garantido por todas as condições que a sua prosperidade exige. A estação aqui chamada — fria — que corresponde ao tempo seco, dá simultaneamente lugar à queda das folhas exatamente como na Europa sucede com o inverno obstando o movimento ascendente da seiva, e impõe ao vegetal uma inação indispensável à maturidade dos galhos novos para a frutificação vindoura. A ser lícita a esperança da prosperidade das árvores frutíferas, não é menos fundada a de todos os legumes indispensáveis ao consumo diário. Além do cultivo em maior e menor escala dos diferentes gêneros, o das florestas que, certamente, não será de menor vantagem para a economia geral pela produção das plantas industriais, é igualmente digna da atenção do agrônomo. Com bastante surpresa observei a existência de numerosas Sapotáceas suscetíveis de fornecerem a — Guta-percha, — substância mui procurada, hoje rara no estado de pureza. Por toda a parte nas matas marginais dos rios encontram-se espécies congêneres tais como Lucuma, Chryzophyllum, Bassia, Mimusops, etc., das que produzem as melhores Guta de Sumatra inconsideradamente quase destruídas pela cobiça dos indígenas que da exportação auferiram grande lucro. Com essas Sapotáceas associam-se outros muitos vegetais cuja utilidade tampouco não é para desprezar, como sejam as plantas de goma, fibrosas, etc., e mais a introdução de espécies exóticas que também seriam de muita vantagem para o país.

“Agora que tenho a dita de viver sob o clima ameno do Planalto, cada dia o acho melhor pela temperatura perfeitamente constante, a leveza e pureza do ar: aí tudo é amável e calmo; quanto à configuração, os vegetais não lembram nem os das regiões quentes nem os dos países frios; às vezes verifico a existência de espécies pertencentes à flora alpestre do Itatiaia, do cume da Serra dos Órgãos ou a regiões distantes do equador, tais como o Chile, o Prata, etc. Muitas dessas plantas brasileiras provenientes de sementes que remeti para Europa haverá 20 ou 30 anos, acham-se hoje perfeitamente aclimatadas em Nice e nos contornos, prova evidente da analogia que existe entre regiões não raro afastadíssimas umas das outras. Ora se os vegetais das regiões altas do Brasil têm vida normal, ao ar livre, no sul da França e da Itália, estou firmemente convencido que o mesmo se há de dar no Planalto quanto às essências mencionadas. Para se conseguir este fim, convém, evidentemente, renunciar à rotina e recorrer à inteligência, sobretudo de homens práticos, pelo menos para dar o impulso.

“Quanto à minha opinião, formada desde já, é com a mais sólida e franca convicção que vos declaro que é perfeita a salubridade desta vasta planície, que não conheço no Brasil Central lugar algum que se lhe possa comparar em bondade. A esta qualidade primordial do Planalto convém acrescentar a abundância dos mananciais d’água pura, dos rios caudalosos cujas águas podem chegar facilmente às extensas colinas que nas proximidades, se vão elevando com declives suavíssimos (1 a 5%). Nada pois deixa a desejar este elemento indispensável para o consumo de uma grande cidade, ainda quanto ao mais remoto futuro: aí também abundam os materiais de construção. A topografia do terreno, tão uniforme, permite o emprego dos instrumentos aratórios mais aperfeiçoados; a flora riquíssima, com um cunho ou fisionomia de todo particular pela uniformidade, carácter geral impresso pela regularidade das condições climatológicas do ambiente que habita. A este respeito, espero poder ministrar-vos amplas e interessantes indicações de geografia botânica quando concluídas todas as nossas observações e colheitas de plantas na localidade.

“Ao terminar esta resumida apreciação, não posso deixar de externar-vos quanto é para desejar a possibilidade de algum estadista vir aqui ajuizar de visu do que vemos juntos e das vantagens que ao progresso industrial e social do país, que tanto estremecemos, oferece o Planalto Central do Brasil.

“Aceite o Ilmº Sr. Dr. Cruls a homenagem dos meus respeitosos sentimentos e sincera dedicação”.

A. Glaziou

Comissão Cruls
1ª Missão Cruls – 1892-1893
Índice | Introdução | Carta de Glaziou | Índice das fotos | Relatório | Pessoal | Ferrovias e desenvolvimento
2ª Missão Cruls – 1894-1896
Instruções | Pessoal e itinerários | Trabalhos | Ferrovia Catalão-Cuiabá | Ofício Cruls | Agricultura | O local quase escolhido | Relatório de Glaziou
A via Cruls | Louis Ferdinand Cruls
Marcos históricos de Brasília
O Plano Piloto de Lúcio Costa | A escolha do Plano Piloto | O lago de Glaziou
A origem do Catetinho | Vida e morte de Bernardo Sayão
O massacre da Pacheco Fernandes
A logística da mudança | Os trens experimentais | A chegada do trem
A Pedra Fundamental | Missão Cruls | Relatório Cruls
Carta de Formosa | Emenda Lauro Müller
A idéia mudancista | Documentação
Brasília e a ideia de interiorização da capital
Varadouro | Hipólito | Bonifácio | Independência | Vasconcelos | Império | Varnhagen
República | Cruls | Café-com-leite | Marcha para oeste | Constitucionalismo | Mineiros | Goianos
CC | A origem da “história” | Ferrovias para o Planalto Central
   

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

  

Ferreoclipping

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

  

Ferrovias

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

  

Legislação

• Estrutura da Valec - Decreto 8.134, de 28 Out. 2013

• “Open access” e atuação da Valec - Decreto 8.129, de 23 Out. 2013

• Sistema Nacional de Viação - Lei 12.379, de 6 Jan. 2011

• Aviso RFFSA - Trens turísticos - 7 Out. 1992

Moedas | Medidas

Acompanhe

     

Busca no site
  
  
Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
Sobre o site Brasília | Contato | Publicidade | Política de privacidade